QUEM É VICTORIA RUFFO?

               E...quem é realmente essa mulher? Como foi que ela se tornou a rainha das novelas? ... Maria Victoria Eugenia Guadalupe Martinez del Rio Moreno, uma menina que sua mãe lhe dizia “sardenta”, nasceu em 31 de maio de 1962, sob o signo de Gêmeos. Ela é a filha mais inquieta de Dona Guadalupe Moreno e D. Ramon Martinez del Rio. Irmã de Gaby e Marcela, tia de Mariana, esposa de Omar Fayad e mãe de Jose Eduardo, Victoria e Anuar.

              Victoria sempre foi uma menina travessa e rebelde que não gostava muito da escola, mas desde pequena tinha sua vocação muito bem definida: ser atriz internacional. E é claro que ela conseguiu, depois de mais 40 anos de carreira é uma das atrizes mais importantes.

              Sua carreira começou no final da década de 70, fazendo mais de 3.000 fotonovelas e alguns comerciais. Sua primeira aparição na televisão foi como apresentadora no programa “Variedades de Medianoche” ao lado de Manuel “El loco Valdés” em 1978. No inicio dos anos 80 também fez uma breve participação como apresentadora no programa XETU ao lado de Rene Casados.

            Victoria é uma atriz completamente de novela, pois já fez 20 histórias e dessas vinte em 16 tem sido protagonista, isso fala de sua qualidade histriônica e de sua capacidade de estar à frente de um elenco de projetos alcançando sempre grande sucesso. Seu inicio nos melodramas foi em 1980, quando D. Ernesto Alonso, o senhor telenovelas, lhe deu sua primeira oportunidade como atriz no papel de Rosário, o papel antagônico de “Conflictos de um Médico”, sua atuação nessa novela lhe valeu um de maior importância, como filha de Miguel Pamer na novela “Al Rojo Vivo” em 1982. Nesse mesmo ano, é outra vez Ernesto Alonso quem a chama, junto com sua irmã mais nova Gaby, para interpretar as filhas da atriz Jacqueline Andere na novela “Quiéreme Siempre”. 

             Continuando em 1982, Victoria Ruffo participa como parte do elenco juvenil da novela “Em Busca del Paraíso” estrelada por Maricruz Olivier. E assim Victoria dava seus primeiros passos firmes e sólidos. Os anos 80 foram completamente seus, com trabalhos arriscados e de muito sucesso, que a levaram em 1983 a seu primeiro papel de protagonista, depois de uma audição com mais de 25 atrizes ela ganhou o direito de protagonizar “La Fiera” ao lado de Guilhermo Capetillo.

           Embora alguns não a vissem no papel de “La Gata” porque a consideravam muito novata para um papel de protagonista, Vicky fez uma grande criação da personagem Natalie, a tal ponto que até hoje o mundo continua chamando-a de “La Fera”. Além de ganhar nesse ano o Prêmio TVyNovelas de melhor atriz juvenil.

          1985 chega com outro papel de protagonista na novela “Juana Iris. Onde interpretou uma jovem cega por quem Valentín Trijullo se apaixona. Em 1987 ela consegue ter o papel principal na novela “Victoria” com D. Ernesto Alonso, onde teve Juan Ferrara como galã, compartilhando créditos novamente com a primeira atriz Isabela Corona. E embora esse já seja seu terceiro papel principal, é a primeira vez que consegue com o “senhor telenovelas”.

         Foi em 1989 que consolidou sua carreira como atriz interpretando Maria Lopez em “Simplesmente Maria” novela que a levou a se tornar uma estrela internacional, pois foi a produção que fez o mundo conhecê-la e apaixonar-se por ela, é uma das novelas mais vistas em todo o mundo, traduzida para mais de 7 idiomas e que na Rússia tornou-se um fenômeno de audiência.

         Para os russos foi uma história que ficou gravada no coração, e isso foi demonstrado durante a visita de Victoria a esse país. Sua chegada paralisou a todos e até o palco Zar lhe foi concedido; existe até uma geração de meninas com o nome de Maria devido a essa história. O fenômeno de “Simplesmente Maria” foi tal que se diz que na Armênia o serviço de luz e água era intermitente, mas quando Victoria foi visita-los, o serviço ficou contínuo para que sua estadia fosse agradável.

        A carreira de Vicky continuou em ascensão e foi em 1993 quando Carlos Sotomayor se encarregou de dar-lhe um protagonismo na novela “Capricho” como Cristina Aranda, onde dividiu créditos com Humberto Zurita, Diana Bracho e a primeira atriz Maria Tereza Rivas. Em 1995, com Antulio Jimenez Pons fez a novela “Pobre Niña Rica” junto com Ariel López Padilla, no papel de Consuelo Villagrán, uma história completamente rosa que permaneceu no coração dos fãs de novela.

        A estas alturas o mundo já havia sido conquistado por Victoria Ruffo: Rússia, Itália, México, América Latina, a metade do mundo aos seus pés, suspirando por seus olhos e seu talento. Em 1998 sob a produção de Juan Osório, protagoniza “Vivo Por Elena” ao lado de Saúl Lisazo, tornando-se outro grande sucesso no México e no mundo.

        Foi no ano de 2000 quando Televisa fez uma nova versão de ”Pecado Mortal” com o nome de “Abraça-Me Muito Forte” onde interpreta uma mulher cega, abusada, que precisa seguir adiante. Nesta história uma vez mais Ruffo demonstrou que Cristina Álvarez de Rivero permaneceria na memória e no coração dos telespectadores, pois conseguiu criá-la, conduzi-la e moldá-la até comover e apaixonar, resultando num grande sucesso, tanto que foi preciso ir para o horário nobre, deixando bem claro quem é a Rainha das Novelas.

         Em 2005, era impensável que se ousassem fazer uma quarta versão de “A Madrasta” já que a terceira versão havia fracassado, enquanto a segunda “Vivir Um Poco” havia sido um grande sucesso... Com tal sombra poucos apostavam pela nova proposta; no entanto, a criação Maria Fernandez da Cunha a cargo da Ruffo, com seu toque, sua elegância e domínio aumentava dia a dia o rating, tornando-se em outro grande sucesso mundial.

         No final de 2005, nossa estrela se torna a Primeira-dama de Pachuca e toma a direção do Desenvolvimento Integral para a Família (DIF), alternando seu trabalho com a atuação, pois em 2007 viaja a Bogotá, Colômbia para protagonizar VICTORIA, novela produzida por RTI e Telemundo. Mais uma vez Victoria encarou o desafio, navegou contra a corrente, lançou-se em um país distante para conquistar de novo o mundo e assim sua “VICTORIA” triunfou e foi grande, muito grande... Pois foi vista até hoje em mais de 35 países. Uma vez mais Ruffo demonstrou sua experiência e seu grande talento como atriz e se reconfirmou que seu #RuffoPower reconhece seu talento, a ama, a segue, e a apoia onde quer que esteja.

         Ao retornar ao México, em 2008, sob a produção de Carlos Moreno, toma o papel de Macarena, na nova versão de “Cadenas de Amargura” agora intitulada de “En Nombre del Amor” onde conseguiu amolecer ao mais duro e fazer que as pessoas implorassem para que nesta versão, a personagem não desaparecesse, no entanto, a história exigia  e não havia outra escolha senão se despedir da já cativante Macarena  Espinosa  de los Monteros.

       Em outubro de 2010, protagoniza a nova versão de “Cristal” chamada “Triunfo del Amor” onde dá vida a Victoria Sandoval, personagem que lhe permite mostrar uma nova faceta, pois representa uma mulher com um caráter muito forte e determinada, deixando um pouco para trás a clássica abnegada protagonista. E mesmo que não seja a vilã que ela tanto quer fazer, pode demonstrar que suas habilidades histriônicas e sua beleza podem nos dar uma vilã de grandes dimensões que todos desfrutaríamos na tela.

         Seu desenvolvimento como atriz não foi somente na televisão, também se aventurou no cinema com filmes como “Discoteca es amor”, “Una solta y un caballo”, “De pulquero a Millonario” e “Perro  Callejero”, entre outros. No teatro experimentou um pouco na comédia, demonstrando sua versatilidade como atriz porque cada um de seus personagens foram adoráveis. Em peças como “Esta Chica es uma Fiera”, “Huevo de Pascua”, “Ninette y un señor de Murcia”, “¿Tu qué harías por amor?” y “Las Loucuras del Matrimonio”. Em 2009 com “Las Arpias” descobrimos um pouco seu lado “Femme Fatale” para depois mergulhar um pouco no drama com a obra de Tenesse Williams “Dulce Pájaro de Juventud” onde a personagem Lucy lhe cai como uma luva, uma mulher doce e sedutora que envolve com seus encantos.

      Em 2012 Victoria continua demonstrando ser a rainha das telenovelas, protagonizando a novela “Corona de Lágrimas” onde interpreta a cativante Refugio Chavero, uma mãe solteira, mulher abnegada que luta para sustentar seus três filhos: Patricio, Mundo e Ignácio. Nesta história todas as mães se identificam com “Cuquita” e é aqui que se consolida como a Rainha das Lágrimas, ganhando nesse ano o prêmio TVyNovelas como melhor atriz protagonista.

         Para 2014 Victoria faz a versão para novela do filme de sucesso “La Malquerida” onde interpreta Crstina Maldonado, uma mulher que tem como rival no amor sua própria filha. Uma história que aborda um tema muito sensível para nossa sociedade, cuja historia fez alguns se sentirem ofendidos. No entanto Cristina Maldonado conquistou o coração dos telespectadores.

         Em 2016 Victoria Ruffo participa em “Las Amazonas”, um remake do sucesso “Niña Amada Mía”. Onde interpreta Inés Huerta, a babá das filhas de Victoriano Santos com quem teve uma relação no passado e foi o amor da sua vida. Nesse mesmo ano torna-se a primeira-dama do Estado de Hidalgo e, paralelamente á sua carreira, apoia seu marido no DIF, tornando-se a Presidente Honorária do Patronato do Sistema DIF Hidalgo, onde conta com uma grande equipe que trabalha dia a dia pelos mais necessitados desse Estado.

      Desde janeiro de 2018 Victoria Ruffo faz parte do elenco da peça de teatro “Las Arpias”, com apresentações no interior da Republica Mexicana, turnê que abrange o Equador, Costa Rica e Estados Unidos. E com uma curta temporada na Cidade do México a parti de 13 de julho.

      Em 2019 continua com a peça “Las Arpías”, mas desta vez fazendo uma nova versão intitulada “Las Arpías Recargadas” cuja estreia foi no dia 22 de Março em Monterrey Nuevo León, percorrendo outras cidades da Republica Mexicana, assim como Estados Unidos e na América Central e do Sul, com uma turnê por Panamá, Costa Rica e várias cidades do Peru.

      Em 2019 volta à televisão com um grande desafio que supera com grande facilidade, fazer comédia para a televisão, na novela “Cita a Ciegas” onde interpreta Maura, personagem de uma mãe um tanto impertinente, engraçada e as vezes insuportável, em suma, ela é uma mulher odiosamente adorável mas cheia de amor por suas filhas e seu marido. Conseguindo mais uma vez conquistar o coração dos telespectadores mexicanos, que acabam amando esse personagem, porque conseguiu nos fazer rir com a mesma intensidade que nos faz chorar.

          Atualmente Victoria Ruffo está no auge de sua carreira, é uma atriz madura, com grande experiência e, acima de tudo uma mulher bonita que pode conduzir seu talento à sua vontade, ela pode fazer comédia, drama ou melodrama. Pode ser a mulher sedutora e a mãe abnegada.

         Victoria se consolidou como uma das melhores atrizes mexicanas dos últimos tempos. Não pode falar de novelas em nosso país sem mencionar o nome de Victoria Ruffo, já é um ícone da novela mexicana considerada por muitos como “La Reina de las Lágrimas”, no entanto, todos sabemos que ela é muito mais que isso, ao nível que seus fãs e muitos de seus colegas de trabalho já a chamam de “La Queen”.

      É sabido por todos que, além de sua qualidade de atuação, conseguiu ganhar o apreço dos telespectadores de muitos países ao redor do mundo, por seu talento, sua simplicidade, carisma, bom humor e sua amável forma de ser.

         Victoria, sua vida tem sido cercada por: trabalho árduo, muitos ensaios, esbanjo de profissionalismo, com risadas nos fóruns, o nervosismo das estreias, sabor dos aplausos, a satisfação da entrega e sempre um sucesso garantido. Obrigada por esses 1000% que nos dar em cada um de seus trabalhos. Obrigado por nos ensinar que os sonhos se tornam realidade.

DIF
Atualmente em “Las Arpías” é Gabriela.

Victoria Ruffo Web página oficial de la artista mexicana Victoria Ruffo.

 © Reservados todos los derechos 2020